Lucas Rodrigues
Lucas Rodrigues Nutricionista - CRN: 1 12229
alimentos industrializados
alimentos industrializados

Uma parte deles são ricos em açúcar, sódio, gorduras, corantes, emulsificantes e outras substâncias que em excesso fazem mal para o nosso corpo.

O açúcar em alta quantidade, por exemplo, está ligado a doenças como obesidade, diabetes, colesterol alto, gordura no fígado, cáries dentárias e acne. 

Além disso, ele traz apenas calorias vazias, ou seja, não traz nenhum nutriente na sua composição. Por sua vez, o excesso de sódio está relacionado diretamente à hipertensão arterial, uma doença extremamente popular no país.

Daria para citar também os males do consumo exagerado das gorduras e dos corantes, mas o artigo ficaria demasiadamente grande e talvez um pouco chato, concorda? 

O importante é que você saiba que deve tomar cuidado com esses tipos de alimentos.

Alimentos Industrializados VS. Alimentos Naturais

Vale a pena entender um pouco sobre a diferença entre os alimentos industrializados e os naturais. Os alimentos industrializados podem ser divididos em três tipos.

O primeiro tipo são os alimentos minimamente processados.

Eles são alimentos naturais que sofreram algum pequeno processo (congelamento, fermentação, cortes, limpeza, pasteurização etc) antes de serem consumidos ou comercializados. Há vários exemplos: leite, farinhas, grãos, carnes, entre outros.

O segundo tipo são os alimentos processados.

Eles são alimentos naturais adicionados de algum ingrediente. É o caso das sardinhas enlatadas, de frutas cristalizadas, de alimentos conservados em salmouras, de compotas de frutas, de queijos, de pães, entre outros.

O terceiro tipo são os alimentos ultraprocessados.

Certamente são os que mais preocupam a saúde, pois são os alimentos mais artificiais, com excesso de substâncias prejudiciais e com poucos nutrientes.

Exemplos: refrigerantes, biscoitos recheados, sorvetes, embutidos, margarina etc.

Por sua vez, os alimentos naturais (in natura) são aqueles que não sofreram nenhum tipo de processamento por parte da indústria. É o caso de alguns vegetais, de algumas frutas e de ovos.

Portanto, em resumo, os alimentos que costumam ser mais saudáveis são os naturais e os minimamente processados. Dessa forma, é  bom tê-los na sua dieta.

Como diminuir o consumo de alimentos industrializados

 As pessoas que diminuem o consumo de alimentos industrializados notam a perda de peso já nas primeiras semanas.

Além disso, há vários casos de alergias que foram curadas, justamente por conta da diminuição desses alimentos.

Isso ocorre porque os corantes, edulcorantes e demais substâncias adicionadas aos alimentos ultraprocessados podem gerar alergias no corpo humano.

Enfim, perceba que benefícios não faltam. Por isso, caso queira largar o consumo de alimentos industrializados gradualmente, siga a seguinte estratégia.

1) Primeira e segunda semana: Desapegue dos ultraprocessados -  Não consuma alimentos como refrigerante, suco industrializado, biscoitos, salgadinho, miojo, linguiça, mortadela, peito de peru, sorvete, leite condensado e demais alimentos ultraprocessados.

Não será fácil, mas se mantenha firme. Lembre-se do seu objetivo!

2) Terceira e quarta semana: Diminua a quantidade açúcar – Além de continuar não consumindo os alimentos ultraprocessados, coloque bem menos açúcar nas bebidas e preparações do que você costuma colocar. 

Por exemplo, se para fazer um suco você colocava três colheres, passe a colocar apenas uma.

3) Ao longo dessas quatro semanas: Introduza alimentos naturais – Ao longo de todos esses dias, você vai consumir mais alimentos naturais nos lanches e nas refeições principais. 

Alimentos como aveia, granola, chia, linhaça, amendoim, castanhas, leguminosas, tubérculos, frutas, vegetais, além de fontes de proteína (queijo e iogurtes magros, ovos e carnes) são ótimas opções.

Em exatamente um mês você terá transformado completamente sua alimentação. Depois é só manter, podendo abrir uma ou outra exceção em determinado dia da semana.

 Gostou desse artigo? Partilhe com alguém que precise lê-lo!