DietaeDicas

Bom para o coração e para cabeça, como o ômega 3 age em nosso cérebro

Ômega 3 para o cérebro
omega 3 para o cerebro

Os ômega-3 estão novamente no centro das notícias médicas graças à publicação de novos resultados particularmente interessantes. Bom para o coração, excelente para o humor, os ômega 3 são adornados com muitos benefícios. Aqui está um novo: eles fazem você inteligente! Porque? Continue lendo.

Quem nunca ouviu falar dos famosos ácidos graxos ômega 3? Essas moléculas, encontradas principalmente em peixes são conhecidas por suas propriedades protetoras dos vasos sanguíneos. De fato, o ômega 3 aumenta notavelmente o nível de colesterol bom (HDL-colesterol) e previne a formação de coágulos no sangue. 

Portanto, é importante consumi-lo para evitar riscos cardiovasculares. O ômega 3, recentemente também foi associado ao equilíbrio emocional. Em pesquisas, provaram ser úteis para reduzir problemas de ansiedade ou depressão.

Mas as últimas pesquisas revelam: esse ácido graxo é essencial para o desenvolvimento e bom funcionamento do cérebro.

Ômega 3 para o cérebro

Todo mundo diz que você tem que comer ômega 3. Mas por quê? Para que servem exatamente em nosso corpo?

Na verdade, essas gorduras entrarão na formação das paredes celulares, especialmente as células nervosas. No entanto, a composição das membranas é essencial para a transmissão do sinal nervoso.

No nível do neurônio, a composição das membranas permite o bom funcionamento das sinapses, essas áreas de troca de informações.

O papel do ômega 3 é justamente afinar essas paredes, torná-las mais flexíveis, o que  facilita a transmissão dos sinais nervosos. Os ômega 3 são, portanto, essenciais para o nosso desempenho cognitivo. 

O ômega 3 é como  o óleo que lubrifica as engrenagens do cérebro. Sem este lubrificante, corre-se o risco de travar a mecânica...

Os ômega-3 não são nem vitaminas nem minerais, eles formam uma classe separada de elementos essenciais que devemos extrair de nossa dieta. É aí que está o problema: em suas formas ativas EPA e DHA, o ômega-3 está presentes apenas em peixes gordurosos, geralmente comercializados na forma  de óleo de peixe em cápsulas. 

A deficiência é, portanto, extremamente comum, 9 em cada 10 pessoas não têm ômega-3 suficiente, se depender apenas da alimentação.

Ômega-3 de origem marinha

O efeito protetor do ômega-3 depende obviamente da dose utilizada. A American Heart Association recomenda uma dosagem de 1 grama por dia. O tipo de ômega-3 também desempenha um papel. Isso foi demonstrado pelo professor Harris da Universidade de Sanford e seus colaboradores.

Existem duas fontes de ômega-3, uma de origem marinha composta por EPA e DHA e outra de origem vegetal a partir de óleos de linhaça e frutos secos, composta por ALA. 

Os ômega-3 de origem marinha são diretamente ativos, ao contrário do ALA que deve ser convertido em nosso corpo em EPA e DHA. Esta conversão é infelizmente muito trabalhosa e apenas uma fração muito pequena, cerca de 5%, do ALA é transformada em EPA e DHA ativos. 

Os resultados da equipe de Sanford mostram que os benefícios cardiovasculares do ômega-3 resultam apenas do uso das formas ativas EPA e DHA de origem marinha.

Ômega-6 e 9 também são benéficos para saúde?

O ômega 6 e 9 também protegem e estimulam nossos sistemas nervoso e cardiovascular. O ômega 6 tem papel importante nas nossas defesas imunológicas e nossos neurônios. Estão presentes principalmente nos óleos de girassol, semente de uva, gérmen de trigo, milho e gergelim.

Já o ômega 9 é bom para prevenir o aparecimento de diabetes tipo 2 e colesterol. eles são encontrados no abacate, azeite, frutas secas oleaginosas.