Marcia Limma
Marcia Limma Redatora - Redação
jejum intermitente
jejum intermitente

O jejum intermitente de 12h é muito popular. A vantagem desse tipo de jejum é que dá resultados reais, mantendo o prazer, sem pesar na mente e sem atrapalhar nossa saciedade.

Adpubbn

Há os loucos por sucos verdes, os curiosos que já testaram a semana experimental, baseada apenas em caminhadas, massagens, chás de ervas e muitos outros tipos de dietas

À medida que a primavera se aproxima, é atraente descansar o corpo para recuperar as energias e manter a barriga lisa. A única condição? Conte com os profissionais.

O que é?

O princípio? São doze horas de vazio entre o final do jantar e o início do café da manhã do dia seguinte. Então, nas próximas 12 horas, comemos normalmente.

Exemplo? Se terminarmos o jantar às 21h, teremos o café da manhã às 9h. Depois almoçamos, comemos um lanche por volta das 16h e jantamos às 21h.

Também é o mais fácil de praticar, em seu próprio ritmo, sem um efeito sanfona ou um desejo irresistível de comer. Quanto aos benefícios, é quase um resgate: o jejum de 12 horas aumenta o metabolismo, otimiza a digestão e purifica suavemente o corpo, que retoma a queima natural de calorias. Fácil.

Como se preparar?

Acima de tudo, a ideia é ficar atento aos nossos erros: lanchar depois do jantar ou em caso de insônia, falta de esporte, desidratação (quando não bebemos água suficiente, se é que durante o dia).

Ao anotar esses detalhes do cotidiano em um caderno, percebemos que o corpo está em modo de limpeza ininterrupta  para eliminar o punhado de pipoca, o smoothie engolido na rua ou o biscoito mordiscado em um canto da mesa  e, portanto, nunca em descanso.

Como fazer?

Praticamos este jejum uma ou duas vezes por semana. Dicas e truques para potencializar seus efeitos: 

Ao acordar:

Esperar até o café da manhã, beber água pura ou filtrada por um pedaço de carvão. Se você deseja alcalinizar o corpo, água com limão e gengibre ou aromatizada com uma colher de sopa de vinagre de maçã, tudo bem também. Depois, chá de ervas, chá verde ou rooibos sem cafeína.

Café da manhã:

Geléia, pão e manteiga pode, mas aproveite esta chance para mudar seus hábitos: manteiga de amendoim ou purê de amêndoa na torrada, iogurte de coco enriquecido com frutas frescas e polvilhado com sementes de chia e avelã, smoothie de frutas vermelhas.

Almoço:

Para apetites apetitosos, dois ovos cozidos ou uma rodela de abacate, perfeito porque sacia sem disparar o chamado do açúcar. No final, um concentrado de boas proteínas + gorduras + carboidratos, que evita a sensação de fome nas braçadas de 11 horas.

Jantar:

Para fazer um verdadeiro jejum noturno, testamos a refeição compota muito simples, suco de vegetais caseiro, purê de vegetais sem sal, compota de frutas da estação e orgânica… e três ameixas ou nozes.

Dicas

Quer fazer um lanche? Bebemos uma infusão naturalmente doce, como o alcaçuz. Ou nos permitimos um punhado de bagas de goji, facilmente assimiláveis, antioxidantes e sem o risco de um pico de insulina.

Se não resistir e acabar beliscando algo a noite? Acrescentamos mais duas horas ao tempo em que paramos a última refeição. Por exemplo, se bebemos nosso último coquetel à meia-noite, começamos a comer novamente no dia seguinte às 14h. Nesse caso, o jejum atua como uma proteção, permitindo que o corpo se autorreparar.

Bônus: aproveitamos essas duas noites de jejum durante a semana para descobrir o prazer de vinte minutos de tranquilidade ou caminhada suave após cada refeição.