Ozempic (Semaglutida): Diabetes Ou Emagrecimento?

Sabe-se que o Ozempic (semaglutida) tem efeitos comprovados para o tratamento do diabetes tipo 2. Este medicamento é capaz de regular a insulina, entretanto, também suprime o apetite. Sendo assim, seria ele capaz de contribuir para a perda de peso?

ozempic

Mas, o composto semaglutídeo foi projetado para agir no corpo de maneira diferente. Ele se assemelha ao peptídeo 1 do hormônio glucagon-like (GLP-1). É tradicionalmente tomado uma vez por semana em forma de injeção, sendo o agonista do receptor hormonal.

Com essa ambiguidade de usos, mesmo sem a projeção para tal, é seguro e saudável ingerir a medicação? Quais as reações ele proporciona no corpo? Essas e outras perguntas acerca do assunto serão respondidas no artigo abaixo. Confira!

O que é o Ozempic (semaglutida)

O semaglutida - conhecido sob o nome de marca Ozempic - é um agonista do peptídeo 1 do tipo glucagon 1 (GLP-1). Essa categoria de droga também é chamada de mimética da incretina. Isso significa que ela imita os outros hormônios do corpo que ajudam a regular os níveis de açúcar no sangue.

Tomado por injeção uma vez por semana, o medicamento trabalha para melhorar o nível de açúcar na corrente sanguínea de várias maneiras:

  • Aumenta a produção natural de insulina do corpo;
  • Reduz o apetite, o que pode levar ao emagrecimento;
  • Reduz a quantidade de glicose produzida pelo fígado;
  • Atrasa o esvaziamento dos alimentos do estômago para o intestino delgado.

Para muitas pessoas com diabetes tipo 2, seu corpo pode realmente lutar para produzir naturalmente o suficiente desse hormônio.

Tal ação leva a um ciclo de excessos que piora ainda mais:

  • A resistência à insulina;
  • Os níveis de açúcar no sangue;
  • As lutas de controle de peso.

Um pouco mais sobre o Ozempic (semaglutida)

A injeção do Ozempic (semaglutida) é o mais novo medicamento para perda de peso no mercado. Mas este novo remédio tem uma história antiga de uso.

O GLP-1 funciona para o diabetes, permitindo que o corpo produza uma explosão de insulina sempre que se come uma refeição. O hormônio nativo tem uma vida muito curta na corrente sanguínea, pois é degradado pelas enzimas em poucos minutos. O Ozempic é quimicamente modificado para resistir a essa degradação enzimática. Isso aumenta o tempo no sangue por várias horas.

Existem vários outros medicamentos GLP-1 que são semelhantes ao semaglutido:

  • Exenatida;
  • Exenatido de ação prolongada;
  • Dulaglutida;
  • Entre outros.

No início, os pesquisadores notaram que os medicamentos GLP-1 faziam mais do que apenas controlar o açúcar no sangue. Os pacientes que tomaram o remédio também emagreceram. E parecia que o efeito estava acontecendo através de um mecanismo diferente do controle de açúcar no sangue.

Quem pode tomar Ozempic?

Ozempic (semaglutina) é recomendado apenas para pessoas que vivem com diabetes não dependente de insulina. A medicação não faz nenhum tipo de substituição e não é aprovado para uso em pacientes com diabetes tipo 1.

O remédio não é recomendado como o primeiro tratamento farmacêutico para o diabetes tipo 2. Em vez disso, substâncias como a metformina seriam a melhor opção. O Ozempic, nesses casos, pode ser uma escolha eventual se outras opções não forem eficazes.

A dose deve começar pequena e aumentar gradualmente até o total ao longo de 4 semanas. Isso precisa ser gerenciado de perto pelo médico e a equipe de profissionais especialistas.

Caso uma dose seja perdida, é preciso conversar com o médico à respeito. Dependendo de quantos dias se passaram desde a dose esquecida, é possível ingerir assim que for lembrado. Se estiver muito próximo da próxima dose, é aconselhável aguardar.

O que se deve relatar ao médico antes de tomar o Ozempic

Caso os pacientes tenham alguma condição específica, devem informar o médico antes do uso do remédio. Entre elas estão:

  • Histórico de problemas no pâncreas ou nos rins;
  • Histórico de retinopatia diabética;
  • Gravidez ou planos de engravidar em breve;
  • Amamentação.

Quando não se deve tomar a medicação

Quaisquer medicações, se tomadas por conta própria, podem ser muito perigosas. Mas, no caso do Ozempic (semaglutida), determinados grupos de pessoas não podem tomá-lo. Estes são:

  • Pacientes que tenham tido pancreatite;
  • Pessoas com menos de 18 anos;
  • Indivíduos com histórico de tumores da tireóide ou câncer de tireóide.

A reação da medicação no emagrecimento

Existem receptores para o hormônio GLP-1 no centro do apetite no cérebro. Estimular esse receptor naturalmente ou com qualquer hormônio sintético estabelece uma cascata de substâncias químicas cerebrais. Estas diminuem o apetite e fazem o indivíduo satisfeito.

As pessoas que tomam o Ozempic (semaglutida) perdem, em média, 10 a 15% do seu peso corporal em cerca de 6 meses. E a continuação da medicação evita a recuperação dos “quilinhos” a mais, que pode ocorrer se a ingestão do remédio for interrompida.

O Ozempic é aprovado para uso crônico, o que faz sentido porque a obesidade é uma doença crônica que precisa ser tratada a longo prazo. O tratamento a curto prazo tende a dar resultados temporários, deixando as pessoas frustradas quando engordam novamente.

Efeitos colaterais do Ozempic

Os efeitos colaterais mais comuns do Ozempic são náusea, vômito, dor abdominal, diarreia e constipação. Este medicamento é administrado por injeção diária.

Por ser um hormônio peptídico, não pode ser ingerido como pílula porque seria digerido no estômago. No entanto, uma versão oral usando novas tecnologias está em desenvolvimento.

É possível ver um raro efeito colateral da pancreatite e um mínimo risco de câncer medular da tireóide. Essa é uma forma muito rara de câncer, observada em camundongos e ratos durante testes. Portanto, os que possuem histórico da doença na família devem evitar medicações para o GLP-1.

Efeitos colaterais graves (menos comuns) :

  • Tumores da tireóide - possivelmente cancerígenos;
  • Inchaço no pescoço;
  • Rouquidão;
  • Dificuldade em engolir;
  • Falta de ar;
  • Pancreatite;
  • Dor no abdômen ou nas costas;
  • Mudanças na visão.

A preocupação com os tumores da tireóide é baseada nos resultados de Ozempic (semaglutida) em ratos e camundongos. Alguns animais desenvolveram esse problema, sendo a maioria, cancerígenos. Entretanto, não se sabe o efeito em humanos.

Ozempic no Brasil

O Brasil foi palco, em 2019, do lançamento de uma medicação para diabetes. Entretanto, desde então, a substância vem sendo usada indiscriminadamente para uma significativa perda de peso. As pessoas, em geral, fazem isso sem prescrição médica. Ou seja, compram sem a receita e não são monitoradas quanto às possíveis reações como:

  • Problemas hepáticos;
  • Problemas intestinais;
  • Vômitos.

A utilização indevida está se disseminando pela condução de grupos no Facebook e WhatsApp. Estes são compostos por indivíduos que trocam algumas dicas entre si.

Poucas pessoas chegam a se consultar com um endocrinologista antes de tentar tomar o Ozempic (semaglutida). Outros dão início ao uso seguindo algumas orientações que são obtidas em sites na Internet, aumentando os riscos dos efeitos indesejados.

Os grupos fechados nas redes sociais que falam acerca do produto e de sua comercialização já possuem mais de 1000 membros. Na descrição das páginas e publicações, a abordagem não é especificamente para o uso quanto ao emagrecimento. Contudo, os membros e seus comentários, focam demasiadamente nisso.

Relatórios sobre os históricos das perdas de peso, bem como das ocorrências das indesejadas reações, são bem frequentes nas páginas. Pode-se ver também recomendações de doses apropriadas em cada caso, e até mesmo as pessoas anunciando a revenda do medicamento.

No WhatsApp, por exemplo, as mensagens se mostram bem parecidas. Os integrantes dos grupos também trocam algumas dicas sobre dieta saudável. Isso os incentiva a permanecer dentro do objetivo da perda do peso, mesmo depois de se obter poucos resultados ou de se ter efeitos colaterais medicamentosos.

A explosão de seguidores

Segundo os especialistas, o remédio vem atraindo uma gama cada vez maior de seguidores. Isso está ocorrendo porque o Ozempic (semaglutida) pode ser adquirido sem uma receita médica. Além disso, exige-se somente uma aplicação por semana. Os outros medicamentos, pelo contrário, devem ser consumidos ou aplicados diariamente.

Alguns indivíduos que utilizaram outras medicações estão migrando aos poucos para este remédio por conta da praticidade de uso semanal. No entanto, a automedicação pode ser extremamente perigosa.

O Ozempic pode ser prescrito, em determinados casos, para obesidade em condições “off label”. Isso quer dizer que o medicamento também pode ter a indicação para algo que seja diferente do relatado na bula médica.

Mas recomendações dessa natureza devem ser bastante cuidadosas, feita por um especialista que avaliará os possíveis benefícios e possíveis efeitos colaterais.

Histórico da medicação

Não se pode dizer que usar uma medicação para diabetes pensando em perder peso é novidade. Essa realmente não é a primeira vez. No ano de 2011, a medicação liraglutida (mais popularmente conhecido pelo nome comercial de Victoza) começou a ser vendida no Brasil. Sua especificação inicial era de efetivar o tratamento dos pacientes diabéticos. Assim, tornou-se popular também para os que queriam emagrecer.

Nessa época, vários médicos chegaram a alertar sobre diversos riscos de se usar o Victoza de maneira autônoma. Cerca de 5 anos após, essa mesma substância teve seu lançamento para se tratar a obesidade, contudo, em uma versão nova, tendo diferentes dosagens.

Perguntas sobre o Ozempic (semaglutida)

Como a semaglutida funciona para as doenças indicadas?

A medicação é uma análoga do hormônio GLP-1. Entre os seus diversos efeitos tem-se o aumento da secreção da insulina. Portanto, é recomendado para se tratar o diabetes do tipo 2. Ele teve seu registro feito na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no mês de agosto do ano de 2018. Contudo, só chegou ao mercado em 2019.

Por qual motivo o Ozempic também é usado como um remédio para emagrecer?

Mesmo embora o remédio não tenha sido projetado para tal fim, seu composto, o hormônio GLP-1, também possui a capacidade do retardo do esvaziamento estomacal. Dessa forma, reduz o apetite, bem como aumenta e prolonga a sensação da saciedade.

A medicação foi aprovada para se tratar a obesidade?

Infelizmente não. Segundo as instruções que se tem na bula, o Ozempic deve ser consumido somente para tratar o diabetes do tipo 2. Isso acontece porque, mesmo que ele tenha demonstrado o efeito adelgaçante, os estudos clínicos se realizaram somente em pacientes diabéticos.

De acordo com o fabricante do remédio, os estudos demonstraram que ele promove a redução do açúcar na corrente sanguínea. Isso diminui o risco de uma morte cardiovascular, um ataque cardíaco ou um derrame.

Mesmo não sendo indicado para tratar obesidade, existe a chance de ele ser prescrito para tal finalidade?

Certamente, mas somente deve ser prescrito por médicos especialistas, bem como de forma cautelosa. Os médicos, em geral, até prescrever remédios em condições off label. Entretanto, para isso, deve-se usar de muito cuidado, analisando o perfil individual dos pacientes e seus possíveis riscos.

Algo a se levar em conta é que nem todo mundo responde às drogas de forma igualitária. Assim, usar o Ozempic (semaglutida) para perda do peso pode ser eficaz para alguns e decepcionante para outros.